Escribo – Apreender

Américo Amorim

"Hoje temos uma equipe que garante o sucesso na implantação de nossas inovações e mostra o porquê da solução ser importante e como ela pode trazer benefícios aos alunos e gestores.”

O modelo de ensino adotado pela maioria das instituições, em que o professor ministra a mesma aula para todos os alunos, já dá sinais de desgaste. As pessoas têm habilidades e dificuldades distintas nos processos de aprendizado e considerar essa diversidade no processo pedagógico é importantíssimo. A tecnologia é uma das ferramentas para concretizar essa personalização. De olho nessa tendência, a Escribo, empresa de inovação para o aprendizado, aposta no aplicativo Frei.re Lab.

“O Frei.re Lab permite que alunos e professores criem aulas digitais, jogos e atividades para personalizar o ensino e aperfeiçoar o aprendizado. Além disso, a solução possibilita a adaptação dos conteúdos, atendendo às necessidades de grupos ou de cada aluno, proporcionando um acompanhamento constante de seu desempenho”, explica Américo Amorim, fundador da Escribo.

Com o propósito de melhorar a educação brasileira – inclusive para escolas que não podem arcar com a inserção de soluções na instituição –, o Frei.re Lab possui dois modelos de contratação: um é totalmente gratuito, para uso dos professores que querem trazer a tecnologia para sala de aula, e outro que adota uma versão de assinatura, que traz receita à empresa, com mais funcionalidades e direcionado para escolas.

Partindo desse pressuposto, Américo afirma que o sonho do time Escribo é fazer com que todo aluno brasileiro seja alfabetizado com sucesso aos seis anos. E, para atingir este objetivo, eles sabem que medir o impacto das soluções é parte fundamental do processo. “Nossos aplicativos e jogos geram estatísticas de aprendizado e engajamento durante o uso, tanto pelos professores quanto pelos alunos. Com isso, podemos ajudar os gestores e professores a ter um uso mais efetivo das inovações para que elas realmente gerem resultados no aprendizado”, conta.

Hoje, a Escribo já atinge milhares de alunos com conteúdos e plataformas utilizadas por todas as grandes editoras do Brasil. Apesar do sucesso, Américo passou por alguns dos desafios aos quais os empreendedores já estão acostumados. “O primeiro desafio foi o de montar uma equipe com profissionais de alto nível e em diversas áreas, como educação, engenharia, design e gestão. Passamos por esse percalço com calma e cuidado ao escolher as pessoas que fariam parte do nosso time. Agora, o nosso principal desafio é fazer com que as escolas, professores e alunos conheçam a nossa solução e percebam que ela – e toda a tecnologia em si – é importante como forma de inovação. O engraçado é que isso se tornou um aprendizado”.

Segundo Américo, a tecnologia é de fato importante para inovar dentro da sala de aula, porém para ela realmente ser efetiva deve abranger outras características. Para ele, para uma tecnologia funcionar de verdade dentro da escola, é necessário que, além ser fácil de utilizar, exista uma assessoria pedagógica contínua para os professores e alunos. “Este foi o nosso aprendizado. Por isso, hoje temos uma equipe que garante o sucesso na implantação de nossas inovações e mostra o porquê da solução ser importante e como ela pode trazer benefícios aos alunos e gestores”, finaliza.