Modelo Freemium – Apreender

Danielle Brants

"Nossa visão de valor agregado é a de utilizar a tecnologia e a pedagogia como aliadas do professor para personalizar suas intervenções com seus alunos e turmas, tornando-as cada vez mais eficazes.”

Você está navegando numa livraria virtual e encontra um livro sobre um assunto que você gosta muito. “Mas será que vale a pena gastar esse dinheiro? Nem sei se o livro é bom…”, você pensa. Então, encontra o botão “Veja uma versão de degustação” e tem a possibilidade de baixar gratuitamente um arquivo digital da obra com o índice e algumas páginas que permitem que o consumidor explore o produto. Você pode comprar a publicação em versão digital ou impressa e receber o conteúdo completo da obra se o conteúdo for interessante e quiser continuar a leitura.

Assim como as livrarias precisaram reinventar seu modelo de negócio para atuar no mercado digital, as startups estão entendendo cada vez mais que existem muitas possibilidades de construir um modelo de negócio inovador que faça sentido para o público-alvo.

Todos esses modelos devem buscar a sustentabilidade da empresa e, ao mesmo tempo, uma proposta de valor interessante para os clientes e usuários. Além do modelo convencional de pagamento por um determinado serviço ou produto, é possível criar um modelo de negócio em que parte da solução é gratuita e parte tem custos ao usuário. Essa é, resumidamente, a definição de Freemium – conceito que mistura free (gratuito) com premium (custeado).

Funciona assim: o pacote freemium disponibiliza ao usuário benefícios como novas funcionalidades, uma navegação sem anúncios ou produtos com uma qualidade maior. Um caso de sucesso é o aplicativo Guten News, que oferece uma versão gratuita para todos. Nela, os estudantes têm à disposição jogos de pré e pós leitura, em linguagem e temas adequados ao público infantil. “O Guten News é e continuará sendo grátis. Nossa missão é eliminar barreiras de entrada e fomentar o acesso à leitura para muitas crianças e jovens”, explica Danielle Brants, fundadora da Guten.

A startup também oferece uma versão paga chamada Guten Pro. A solução é uma ferramenta web dedicada ao educador, que oferece a análise de desempenho do aluno em suas atividades com o Guten News. Cada vez que o aluno usa o Guten News e faz uma atividade, a ferramenta mapeia qual habilidade de leitura está sendo desenvolvida (de acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais) – e com isso, pode prover ao professor uma visão detalhada da evolução e áreas de melhoria, tanto de forma agregada (turma) quanto de forma individualizada (aluno).

“Nós não cobramos pelo conteúdo propriamente dito. Nós cobramos pela inteligência na análise de dados de desempenho dos alunos, e na análise de áreas de melhoria no campo da leitura. Com isso, nossa visão de valor agregado é a de utilizar a tecnologia e pedagogia como aliados do professor para personalizar suas intervenções com seus alunos e turmas, tornando-as cada vez mais eficazes”, explica Brants.