Pesquisa de mercado – Apreender

Mariana Fonseca

"Às vezes, perde-se muito tempo fazendo um monte de coisa que poderia ser mais simples se houvesse um checklist e se o empreendedor pesquisasse mais e fosse para a rua conversar com as pessoas."

O empreendedor é, por si só, um curioso. No entanto, muitas vezes falta essa curiosidade na hora de criar um produto ou serviço. Muitos empreendedores começam seu negócio buscando solucionar um problema e não dão tanta atenção para uma maior exploração do mercado em que vão atuar. Ter conhecimento tanto da área quanto do negócio em si é muito importante.

Os empreendedores costumam conversar com os atores que mais conhecem. Então, se ele atua no universo da educação, acaba validando com seus parceiros muito mais a ideia e não necessariamente o negócio ou o modelo de negócio. Se é um empreendedor do universo de negócios, ele focará muito mais na parte de negócios. “Às vezes, perde-se muito tempo fazendo um monte de coisa que poderia ser mais simples se houvesse um checklist e se o empreendedor pesquisasse mais e fosse para a rua conversar com as pessoas”, conta Mariana Fonseca, da Mariposa, uma das startups responsáveis pela pesquisa Empreendedores de impacto: as dores e as delícias de empreender em educação.

No entanto, a própria Mariana alerta: é preciso “ir para a rua”, fazer entrevistas com as pessoas que realmente importam para seu negócio, sem uma ação enviesada. “Muitas vezes, o pesquisador vai para campo para provar um conceito, o que se torna uma pesquisa de confirmação e não de validação. Estar aberto para entender os desafios e todos os recados das conversas é fundamental”, explica.

“Pesquise você mesmo: dicas rápidas para pesquisas sem gastar dinheiro”:

  • Saiba qual o seu objetivo com essa pesquisa (com quem quer testar? O que quer medir?)
  • Pesquise o mercado. Como o mercado de empreendedorismo de impacto em educação ainda é novo e pouco organizado, as pessoas acabam descobrindo depois de muito tempo potenciais parceiros e concorrentes
  • Encontre outros empreendedores para conversar. “Se estivesse começando hoje, pediria mais ajuda de empreendedores com experiência. Encontrei essas pessoas durante minha jornada muito por indicações de amigos e buscas na internet. É fundamental pedir ajuda para quem já está no mercado”, indicou Felipe Correia, da eduqa.me.

Confira alguns tipos de pesquisas que podem ser realizadas:

– Pesquisa com especialistas: escute o que os especialistas têm a dizer sobre sua ideia de negócio

– Pesquisa com usuários: esse é o momento de entender o que seu público-alvo realmente precisa. Você está entregando a solução certa para o problema que quer resolver?

– Pesquisa de benchmark: quais os exemplos nacionais e internacionais que podem insipirar, ser parceiros ou até mesmo ser vistos como concorrentes?

– Pesquisa de ecossistema: quais são os atores próximos que fazem parte do cenário que você está prestes a entrar? Mais do que isso, é preciso compreender seus papeis, qual o foco de atuação de cada um e assim buscar a ajuda que mais lhe serve.

– Pesquisa de educação:  quais os principais problemas do mundo da educação e como minha solução atende a alguma dessas demandas?

– Pesquisa de mercado: quem está realizando soluções semelhantes no mercado local, regional ou nacional

– Pesquisa de tecnologia: existem tecnologias que podem ser parceiras ou concorrentes da solução imaginada?